ACONTECE SOPESP

Home   /   Project   /   SOPESP participa de Reunião sobre Projeto Santos 17

SOPESP participa de Reunião sobre Projeto Santos 17

Diretores do Sopesp estiveram reunidos com o presidente da Codesp, Alex Oliva, para discutir a continuidade do projeto contratado com a USP, com o objetivo de caracterizar o navio tipo que atenderá o Porto de Santos, e direcionar os trabalhos futuros da Fundação Centro Tecnológico de Hidráulica. Estiveram presentes o presidente do Sopesp, Roberto Teller, o 1° vice-presidente, João Almeida, Eliezer da Costa Giroux, membro do Conselho Fiscal e o Diretor-Executivo, José dos Santos Martins. O evento aconteceu no dia 9 de março na sala de reuniões da presidência da Codesp.
Os técnicos da USP José Carlos Bernardino e Marcos Pinto apresentaram esclarecimentos sobre os estudos da adequação de profundidades a serem determinadas pela Codesp e a estratificação mundial da classe de navios porta-contêineres, em função da capacidade e respectivo calado esperado, para se determinar o cenário para o qual o porto deve se preparar.
Ele lembrou que se o porto estiver apto a atender navios de até 15,2m (com maré >= 1,0m), navios de uma nova classe de contêineres, com 366 metros de comprimento (LOA) e 15k TEUs deverão escalar o porto já a partir de 2018.
A atual situação de dragagem (15m de profundidade, para navios de até 14,5m de calado, considerando 1,0m de maré), não oferece profundidade suficiente para essa nova classe de navios. Nesse ponto da reunião se discutiu sobre calado operacional, que envolve as profundidades do canal e de berço e o pé-de-piloto, definido pela Autoridade Marítima, como de 10% do calado do navio.
Assim, para a profundidade da dragagem do canal de navegação, pela SEP, de -15,0m, o calado permitido seria de 13,5m (Zero DHN).
O Sopesp demonstrou não concordar com o uso da maré para aumentar calado, em face da eventual espera para atracação e formação de filas.
A discussão migrou para a busca de definições técnicas junto à Autoridade Marítima. A USP deverá instruir a discussão, previamente, junto ao grupo, dentro de uma semana, para discussão futura com a Autoridade Marítima.