SOPESP NOTÍCIAS

Home   /   Infraestrutura e Investimentos   /   Confinamento poderá custar mais de 2 mil milhões ao comércio internacional de mercadorias

Confinamento poderá custar mais de 2 mil milhões ao comércio internacional de mercadorias


Fonte: Revista Cargo (21 de maio de 2020 )

As medidas de confinamento implementadas um pouco por todo o mundo para combater a propagação do COVID-19, e a consequente retoma da actividade de forma desfasada entre países poderão custar 2,2 mil milhões de euros ao comércio internacional de mercadorias.

 

O valor equivale a uma subida de 11 pontos percentuais nas tarifas à importação por parte de todos os países, para os 17%, estima a Euler Hermes, accionista da COSEC – Companhia de Seguro de Créditos. De acordo com o estudo ‘COVID-19 losses equivalent to a return of 1994 tariffs’, recentemente lançado pelo grupo líder mundial em seguro de créditos, mesmo após o fim do confinamento, o facto de haver regras diferentes entre Estados sobre a circulação de bens e serviços gerará incerteza e sobrecarga regulatória nas empresas, impedindo o comércio global de normalizar.

 

Depois de um choque de 22,5% em termos de valor, o comércio poderá, mesmo após o fim do confinamento, permanecer abaixo de 90% do que se registava antes da crise. Não obstante, o estudo indica que a recuperação acontecerá ainda no segundo semestre deste ano, na sequência da retoma da actividade no sector industrial, e durante 2021, crescendo +10% em volume e +15% em valor.

 

Vários setores em risco de pressões inflacionistas

Apesar do cenário considerado mais provável ser o de recuperação em forma de ‘U’, os analistas alertam para o facto de alguns sectores, nomeadamente os que exportam produtos de alto valor acrescentado e são mais sensíveis a interrupções na cadeia de fornecimento, correrem o risco de sofrer aumento de preços. Correm maior risco as empresas que operam na China, EUA, Alemanha, França, Irlanda, Bélgica, Holanda e Luxemburgo.

 

Aumento do proteccionismo nas trocas comercias

Os economistas da Euler Hermes alertam ainda para o regresso de um risco que o comércio internacional enfrentava antes do surgimento da pandemia: o aumento do proteccionismo. A adopção destas políticas por parte dos Estados pode recriar a incerteza vivida em 2019 e prejudicar a recuperação do investimento, intensificando-se à medida que se agravam tensões entre os EUA e a China.

 

O proteccionismo tem sido evidente, por exemplo, nos produtos relacionados com a Covid-19. Os dados revelam um nível recorde de novas restrições à exportação de produtos médicos, farmacêuticos e de equipamento de protecção por parte de muitos países. No total, foram aplicadas mais de 80 novas medidas proteccionistas a estes produtos em 2020 em todo o mundo – um recorde, e que equivale a 2,5 vezes o total de medidas implementadas em todo o ano de 2019. O estudo calcula que, só em 2020, os bloqueios às exportações possam reduzir o comércio de produtos Covid-19 em €27 mil milhões.

 

Os economistas alertam ainda para o impacto que estas políticas proteccionistas podem ter no agravamento da crise sanitária nos países em desenvolvimento. O Brasil, a Argentina e a Argélia, seguidos da África do Sul, Marrocos, Indonésia, Colômbia, Malásia, México e Chile, são países cujas importações de produtos relacionados com a crise sanitária da Covid-19 estão fortemente concentradas em três principais parceiros e onde as tarifas sobre esses produtos são mais elevadas em relação ao resto do mundo.


Mais lidas


View this post on Instagram #SPAnaPrevençãoAoCoronavírus A SPA recebeu hoje (28/04) 8 mil litros de álcool em gel, doados pela Associação Nacional dos Exportadores de Cereais (Anec) e pela Associação Nacional dos Exportadores de Algodão (Anea) para auxiliar o Porto de Santos no combate à pandemia pelo novo coronavírus. A ação contou com intermediação do […]

Leia Mais

  O município de Balneário Barra do Sul, no litoral norte de Santa Catarina, poderá ganhar um empreendimento portuário vinculado a um complexo empresarial e de serviços. O empreendimento projetado – por ora é só isso, uma intenção – é denominado “Super porto BBS”. Dizem os investidores potenciais que o negócio poderá ocupar área de […]

Leia Mais

No dia 11 de junho, Data Magna da Marinha, a Comissão de Limites da Plataforma Continental (CLPC) publicou, em seu portal da Organização das Nações Unidas (ONU) na internet, recomendação na qual legitimou ao Brasil incorporar 170.000 km2 de área de Plataforma Continental, além da Zona Econômica Exclusiva.   O processo de estabelecimento do limite exterior […]

Leia Mais