SOPESP NOTÍCIAS

Home   /   Eventos   /   TCU verifica que causas da greve dos caminhoneiros, ocorrida em 2018, não foram solucionadas

TCU verifica que causas da greve dos caminhoneiros, ocorrida em 2018, não foram solucionadas


Fonte: Portal TCU (12 de fevereiro de 2020 )

 

 

Subvenção do diesel pôs fim à greve dos caminhoneiros em maio de 2018, mas não teve impacto nas causas do problema. Essa foi a conclusão a que o Tribunal de Contas da União (TCU) chegou ao realizar trabalho de acompanhamento motivado pelos eventos que culminaram, naquele mês, na greve de caminhoneiros autônomos e no consequente desabastecimento de uma série de produtos no mercado brasileiro.

 

A fiscalização teve como objetivo examinar as providências adotadas pelo Governo Federal quanto à regulação de preços de derivados de petróleo, pela Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), e quanto à concessão de subsídios, acompanhada pelo   Ministério de Minas e Energia (MME). O Tribunal analisou não só a regularidade dessas duas ações, mas também identificou impactos, ineficiências e oportunidades de atuação estatal.

 

Uma das conclusões do trabalho foi em relação ao Programa de Subvenção Econômica do Óleo Diesel, de natureza emergencial e adotado pelo Governo Federal com base em crédito extraordinário e em redução de impostos diretos sobre o insumo. O programa cumpriu seu objetivo ao conseguir interromper a greve dos caminhoneiros, em maio de 2018, ao custo de R$ 6,8 bilhões. O contexto da política de preços de combustíveis em que ocorreu a greve pode ser visualizado conforme abaixo:

 

 

Para o Tribunal, no entanto, o programa de subvenção do diesel, pelo seu caráter emergencial, não teve qualquer impacto relacionado ao complexo mecanismo que deu causa ao aumento de preços motivador da greve dos caminhoneiros. Assim, não seria possível garantir que o movimento grevista não será retomado.

 

 

A sociedade brasileira viveria, assim, um momento paradoxal. Isso porque não obtém todos os benefícios da competição inerente aos mercados abertos, conforme modelo preconizado pela Constituição Federal, nem os da regulação de preços pelo governo, tipicamente observada em mercados monopolistas.

 

O trabalho também chamou a atenção para as projeções oficiais, que indicam elevado risco de aumento da dependência externa para o abastecimento interno de combustíveis.

 

O relator do processo, ministro Aroldo Cedraz, comentou que “é imprescindível a realização de investimentos na expansão da oferta e na infraestrutura para movimentação de petróleo, derivados e biocombustíveis para garantir o abastecimento do País, investimentos esses a serem realizados por outros agentes, além da Petrobras, de modo a estabelecer um novo equilíbrio no mercado brasileiro”.

 

Serviço:

Leia a íntegra da decisão: Acórdão 213/2020 – TCU – Plenário

Processo: TC 036.591/2018-1

Sessão: 05/02/2020

Secom – ED/ca

Telefone: (61) 3316-5060

E-mail: imprensa@tcu.gov.br


Mais lidas


A Santos Port Authority (SPA) elaborou uma campanha para esclarecer e difundir os principais cuidados para se proteger do novo coronavírus (2019 nCoV). Não há casos suspeitos no Porto de Santos, mas a SPA está adotando as ações preventivas necessárias em apoio à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).  

Leia Mais

  O município de Balneário Barra do Sul, no litoral norte de Santa Catarina, poderá ganhar um empreendimento portuário vinculado a um complexo empresarial e de serviços. O empreendimento projetado – por ora é só isso, uma intenção – é denominado “Super porto BBS”. Dizem os investidores potenciais que o negócio poderá ocupar área de […]

Leia Mais

No dia 11 de junho, Data Magna da Marinha, a Comissão de Limites da Plataforma Continental (CLPC) publicou, em seu portal da Organização das Nações Unidas (ONU) na internet, recomendação na qual legitimou ao Brasil incorporar 170.000 km2 de área de Plataforma Continental, além da Zona Econômica Exclusiva.   O processo de estabelecimento do limite exterior […]

Leia Mais