SOPESP NOTÍCIAS

Home   /   Mercado   /   Vale vai recompor estoques na China, apesar de coronavírus

Vale vai recompor estoques na China, apesar de coronavírus


Fonte: Valor Econômico (11 de fevereiro de 2020 )

A Vale vai manter a política de recomposição de estoques no mercado chinês, apesar das projeções de que o coronavírus pode reduzir o crescimento da China no 1º trimestre. Em 2019, os estoques de minério de ferro da empresa caíram uma vez que houve cortes na produção depois de Brumadinho (MG) e porque havia compromissos assumidos com clientes.

 

Em 2020, a recomposição de estoques é o “caminho natural” para a Vale. Até o momento não houve efeitos negativos do coronavírus para a companhia em termos de vendas e de movimentação nos portos chineses. A formação de estoques, portanto, está mantida.

 

Trata-se de uma estratégia comercial uma vez que a companhia tem interesse de vender para as siderúrgicas asiáticas o BRBF, produto resultante da combinação do ferro de Carajás (PA) com minérios de qualidade intermediária. Essa mistura (blend) é feita em um terminal portuário que a empresa tem na Malásia e em portos da China. Estimativas de mercado indicam que, em 2019, a companhia consumiu 14 milhões de toneladas de seus estoques. Daí a conclusão de que a recomposição dos volumes estocados é necessária. O limite dos estoques da Vale é a capacidade de fazer a mistura (“blendagem”) na China, principal mercado da mineradora brasileira.

 

Em 2019, pela primeira vez em muitos anos, a Vale divulgou meta de vendas e não de produção. Foi uma mudança assumida depois de Brumadinho. Analistas consideram que, no ano passado, a empresa vendeu acima do que produziu. Os números oficiais serão conhecidos hoje quando a Vale divulgar o relatório de produção do quarto trimestre de 2019. Para 2020, a empresa tem meta de produção de minério de ferro de 340 milhões a 355 milhões de toneladas. Essa meta está mantida mesmo com o coronavírus e com as previsões de desaceleração da economia chinesa no primeiro trimestre.

 

No começo do ano, a Vale enfrentou outra dificuldade que foram as chuvas em Minas Gerais. O <strong>Valor</strong> apurou que, apesar disso, a empresa opera em condições quase normais, com pequenas reduções nos embarques no Espírito Santo. Até agora, portanto, a empresa não teria maiores motivos de preocupação. Um efeito a ser sentido pela Vale neste primeiro trimestre, no entanto, será a parada da mina de Brucutu (MG) em função da suspensão da deposição de rejeitos na barragem de Laranjeiras, ligada à mina. Brucutu é a principal mina de minério de ferro da Vale em Minas. Há expectativa que Brucutu volte a operar em março, mas depende das autoridades.

 

Outro efeito sentido pela Vale e concorrentes desde a eclosão do coronavírus foi a queda dos preços. O minério de ferro caiu mais de US$ 10 por tonelada desde janeiro, situando-se ontem na casa dos US$ 82 por tonelada no mercado à vista da China. Para analistas, o preço estava alto e é preciso considerar que o minério de ferro tem também um componente especulativo, representando pelo mercado futuro de Dalian. Há entre especialistas quem não espere uma grande queda nos preços uma vez que a relação entre oferta e demanda continua equilibrada. Em parte, isso ocorre justamente pelas limitações que a Vale tem para aumentar a produção por causa de suas barragens em MG. Houve também, neste ano, problemas climáticos na Austrália, outro grande produtor mundial da commodity.

 

Ontem o banco Itaú BBA divulgou relatório sobre commodities em que continua a trabalhar com uma estimativa de preço médio para o minério de ferro de US$ 75 por tonelada em 2020, US$ 18 por tonelada abaixo de 2019. Apesar disso, o banco projeta que a Vale pode ter neste ano uma geração de caixa superior a US$ 4,6 bilhões, o que se transformaria em uma taxa de retorno de 8% ao ano. O banco também espera que a Vale retome o pagamento de dividendos e chegue a acordos adicionais com as autoridades ainda neste ano.

 

Yuri Pereira, analista da XP Investimentos, vê o cenário de controle do coronavírus no primeiro semestre. Ele disse que o governo chinês está, desde o ano passado, disposto a dar incentivos que estimulem a economia do país. Foi o que os chineses fizeram nas últimas crises: a da Sars (2003) e a financeira internacional (2008), dando estímulos para aportes em infraestrutura. Há expectativa que o fenômeno possa se repetir. Se houver de fato novos estímulos governamentais, as mineradoras poderão se beneficiar, disse fonte.


Mais lidas


A Santos Port Authority (SPA) elaborou uma campanha para esclarecer e difundir os principais cuidados para se proteger do novo coronavírus (2019 nCoV). Não há casos suspeitos no Porto de Santos, mas a SPA está adotando as ações preventivas necessárias em apoio à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).  

Leia Mais

  O município de Balneário Barra do Sul, no litoral norte de Santa Catarina, poderá ganhar um empreendimento portuário vinculado a um complexo empresarial e de serviços. O empreendimento projetado – por ora é só isso, uma intenção – é denominado “Super porto BBS”. Dizem os investidores potenciais que o negócio poderá ocupar área de […]

Leia Mais

No dia 11 de junho, Data Magna da Marinha, a Comissão de Limites da Plataforma Continental (CLPC) publicou, em seu portal da Organização das Nações Unidas (ONU) na internet, recomendação na qual legitimou ao Brasil incorporar 170.000 km2 de área de Plataforma Continental, além da Zona Econômica Exclusiva.   O processo de estabelecimento do limite exterior […]

Leia Mais