SOPESP NOTÍCIAS

Home   /   Mercado   /   Copom prega ‘cautela’ na fixação dos juros e indica que pode não cortar mais a taxa Selic

Copom prega ‘cautela’ na fixação dos juros e indica que pode não cortar mais a taxa Selic


Fonte: G1 ECONOMIA (11 de fevereiro de 2020 )

O Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central avaliou nesta terça-feira (11) que o “atual estágio do ciclo econômico recomenda cautela na condução da política monetária”, ou seja, na definição da taxa Selic.

 

A avaliação foi feita por meio da ata de sua última reunião, quando o comitê baixou os juros básicos de 4,5% para 4,25% ao ano (mínima histórica).

 

“Considerando os efeitos defasados do ciclo de afrouxamento iniciado em julho de 2019 [cortes de juros já efetuados], o Comitê vê como adequada a interrupção do processo de flexibilização monetária [redução da taxa básica]”, informou.

 

O Banco Central acrescentou, porém, que “seus próximos passos continuarão dependendo da evolução da atividade econômica, do balanço de riscos e das projeções e expectativas de inflação, com peso crescente para o ano-calendário de 2021”.

 

Com isso, o BC não afastou completamente a possibilidade de novas reduções na Selic.

 

Essa análise foi feita pelo Banco Central antes da divulgação do IPCA de janeiro, que ficou em 0,21%– a menor taxa para esse mês desde o início do Plano Real, em julho de 1994. Em doze meses até janeiro, a inflação somou 4,19%, ainda influenciada pela disparada de 1,15% em dezembro, resultado da alta da carne.

 

Como a decisão é tomada

A principal missão do Banco Central é controlar a inflação, tendo por base o sistema de metas. Para este ano, a meta central de inflação é de 4%, podendo oscilar de 2,5% a 5,5%. Para 2021, o objetivo central é de 3,75% (com oscilação de 2,25% a 5,25%).

 

Quando as estimativas para a inflação estão em linha com as metas, o BC pode reduzir os juros. Entretanto, quando estão acima da trajetória esperada, a taxa Selic é elevada.

 

A expectativa do mercado financeiro para o índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) – a inflação oficial – para 2020 e 2021 estão comportadas. Para este ano, a previsão do mercado é de que a inflação fique em 3,25% e, para o próximo, em 3,75%.

 

Na semana passada, o BC informou que suas estimativas de inflação, para 2020 e 2021, situam-se ao redor de 3,5% e de 3,75%. As projeções consideram um cenário de dólar alto (R$ 4,25) e alta dos juros básicos para 6% ao ano no fim de 2021 – conforme previsão do mercado financeiro.

 

PIB, coronavírus e ociosidade da economia

De acordo com o Banco Central, dados de atividade econômica divulgados desde o final do ano passado indicam a “continuidade do processo de recuperação gradual da economia brasileira”.

 

O Copom avaliou, ainda, que indicadores também mostram uma “dicotomia” (oposição) entre a evolução do mercado de trabalho e o crescimento da produção de bens e serviços.

 

“Enquanto o mercado de trabalho segue em recuperação gradual, os dados recentes de produção industrial e os indicadores preliminares de investimento tiveram desempenho abaixo do esperado”, explicou a instituição.

 

Segundo o BC, a dicotomia dos últimos dados “sugere que pode haver menos espaço de ociosidade do que o mensurado por métodos tradicionais”.

 

Porém, alguns integrantes do Copom afirmaram que a dinâmica dos núcleos de inflação (uma medida que procura captar a tendência dos preços, desconsiderando resultados de choques temporários) “sinaliza que a ociosidade dos fatores de produção ainda é elevada”.

 

No caso do coronavírus, que tende a afetar a economia mundial e, consequentemente o PIB brasileiro, para baixo, o BC avaliou que o “eventual prolongamento ou intensificação do surto implicaria uma desaceleração adicional do crescimento global, com impactos sobre os preços das commodities e de importantes ativos financeiros [alta do dólar, por exemplo]”.

 

“O Copom concluiu que a consequência desses efeitos para a condução da política monetária [definição da taxa básica de juros] dependerá da magnitude relativa da desaceleração da economia global versus a reação dos ativos financeiros”, concluiu a instituição.


Mais lidas


A Santos Port Authority (SPA) elaborou uma campanha para esclarecer e difundir os principais cuidados para se proteger do novo coronavírus (2019 nCoV). Não há casos suspeitos no Porto de Santos, mas a SPA está adotando as ações preventivas necessárias em apoio à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).  

Leia Mais

  O município de Balneário Barra do Sul, no litoral norte de Santa Catarina, poderá ganhar um empreendimento portuário vinculado a um complexo empresarial e de serviços. O empreendimento projetado – por ora é só isso, uma intenção – é denominado “Super porto BBS”. Dizem os investidores potenciais que o negócio poderá ocupar área de […]

Leia Mais

No dia 11 de junho, Data Magna da Marinha, a Comissão de Limites da Plataforma Continental (CLPC) publicou, em seu portal da Organização das Nações Unidas (ONU) na internet, recomendação na qual legitimou ao Brasil incorporar 170.000 km2 de área de Plataforma Continental, além da Zona Econômica Exclusiva.   O processo de estabelecimento do limite exterior […]

Leia Mais