SOPESP NOTÍCIAS

Home   /   Infraestrutura e Investimentos   /   País depende bem mais do agronegócio

País depende bem mais do agronegócio


Fonte: Estadão (16 de janeiro de 2020 )

Os números da balança comercial relativos aos primeiros sete dias de janeiro reforçam a convicção de que o agronegócio terá um peso cada vez mais decisivo para o comércio exterior brasileiro. Nada menos do que a metade (US$ 455,6 milhões) da média diária de exportações do período (US$ 907,2 milhões) foi proveniente das exportações de produtos básicos, com destaque para as carnes bovina, suína e de frango e algodão em bruto, além das commodities minério de ferro e petróleo em bruto.

 

Dados de 2019 divulgados há pouco pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) revelaram que as vendas externas do agronegócio somaram US$ 96,8 bilhões – o equivalente a 43,2% do total das exportações brasileiras no ano passado. Ou seja, sem o agronegócio, o Brasil teria tido um ano ainda pior para o comércio exterior.

 

Em 2019, enquanto o valor das exportações totais caiu 7,5% em relação a 2018, as vendas externas de produtos do agronegócio diminuíram 4,3%. Segundo nota da Secretaria de Comércio e Relações Internacionais do Mapa, “tal redução ocorreu em função da queda do índice de preço das exportações do agronegócio brasileiro, que caiu 6,9% em 2019”. A queda, diz a nota, foi “compensada pela elevação de 2,7% no índice de quantum das exportações” – isto é, das quantidades de produto exportadas.

 

O montante das vendas de soja, que é o item mais importante das exportações do agronegócio, foi especialmente impactado pela queda das cotações. Mas uma recuperação dos preços do grão e do farelo negociados no mercado internacional já parece estar em curso, segundo a publicação Broadcast Agro Soja e Milho, do serviço noticioso Broadcast da Agência Estado.

 

A produção de milho do ano passado, de 100 milhões de toneladas, foi o grande destaque do agronegócio. Descontado o consumo interno, restou um excedente exportável de cerca de 20 milhões de toneladas, com ganhos de 88,5% em volume e 87,4% em valor comparativamente a 2018. As vendas externas de carne atingiram US$ 16,5 bilhões, alta de 12,5% em relação a 2018. No setor de fibras e produtos têxteis, o destaque foram as vendas de algodão, com ganho de 56,5% em relação a 2018.

 

As dificuldades registradas no setor de manufaturados permitem prever que em 2020 o comércio exterior voltará a depender do agronegócio


Mais lidas


  O município de Balneário Barra do Sul, no litoral norte de Santa Catarina, poderá ganhar um empreendimento portuário vinculado a um complexo empresarial e de serviços. O empreendimento projetado – por ora é só isso, uma intenção – é denominado “Super porto BBS”. Dizem os investidores potenciais que o negócio poderá ocupar área de […]

Leia Mais

No dia 11 de junho, Data Magna da Marinha, a Comissão de Limites da Plataforma Continental (CLPC) publicou, em seu portal da Organização das Nações Unidas (ONU) na internet, recomendação na qual legitimou ao Brasil incorporar 170.000 km2 de área de Plataforma Continental, além da Zona Econômica Exclusiva.   O processo de estabelecimento do limite exterior […]

Leia Mais