SOPESP NOTÍCIAS

Home   /   Infraestrutura e Investimentos   /   DP World: Parceria, não propriedade turbinará a economia da África

DP World: Parceria, não propriedade turbinará a economia da África


Fonte: DP World (16 de janeiro de 2020 )
  • A África está perdendo os benefícios que o comércio global pode trazer.
  • Combater a corrupção, a governança e a segurança dos contratos é crucial para impulsionar o comércio.
  • O continente precisa de uma rede de infraestrutura logística para impulsionar o comércio intra-continental.

 

Algo deu errado na conversa mundial sobre o comércio global. Fala-se em guerras comerciais; tarifas estão sendo aumentadas; barreiras não-tarifárias são reforçadas. Parece que nosso mundo esqueceu alguns fatos econômicos fundamentais.

 

As portas são vitais para impulsionar o crescimento em toda a África – Imagem: REUTERS / Temilade Adelaja

 

Fato 1: o comércio global tirou grandes partes do mundo da pobreza; trouxe prosperidade a muitas economias em desenvolvimento e concedeu a centenas de milhões, se não bilhões, de pessoas acesso a empregos, melhor educação e assistência médica. Inúmeras crianças que uma vez teriam nascido em uma vida de pobreza agora estão crescendo sabendo que têm um futuro.

 

Fato dois: o comércio global também é uma proposta ganha-ganha para economias altamente desenvolvidas, pois sustenta suas indústrias e setor de serviços, produz inflação baixa e dá aos consumidores acesso a produtos a preços acessíveis.

 

É claro que sou o primeiro a reconhecer que o sistema comercial global não é perfeito; perturbação econômica nunca é suave. No geral, porém, o comércio tem sido extremamente bom para o mundo. Sempre que visito a China, Índia, Vietnã, Brasil, México, nações de todo o Oriente Médio e qualquer outro país, vejo a evidência: o comércio global transformou esses países e a vida de seus cidadãos para melhor.

 

No entanto, uma rápida olhada nos fluxos do comércio global mostra que a África está perdendo – mesmo sendo um continente com recursos naturais significativos, uma força de trabalho jovem e ansiosa e uma necessidade desesperada de prosperidade.

 

Neste momento, o PIB da África cresce a uma taxa de cerca de 3,5% ; e isso deve subir para 4,1% em 2020. Isso é mais lento do que outras economias emergentes e nem chega perto do que daria aos governos da África os recursos necessários para combater a pobreza e o desemprego dos jovens.

 

É especialmente decepcionante, dado o rápido aumento do comércio “Sul-Sul” entre economias em desenvolvimento, que nós da DP World experimentamos em primeira mão há vários anos. Existem várias grandes histórias de sucesso como Ruanda, mas a África em geral não está ganhando força com os direitos que deveria.

 

Imagem: DP World

 

Ainda assim, estou otimista e tenho certeza de que a África se beneficiará dessa mudança econômica, desde que os governos do continente e seus parceiros de investimento tenham quatro desafios certos.

 

Preocupações com corrupção, governança e segurança de contratos estão no topo da lista para a maioria dos investidores . Eu acredito em tolerância zero quando se trata de corrupção. Para resolver o problema, os países africanos precisam de transparência, responsabilidade e uma sociedade civil ativa . Quando se trata de detalhes, nossas equipes na DP World geralmente descobrem que são simples soluções tecnológicas que permitem reprimir práticas dúbias – como contêineres à prova de adulterações, sempre rastreáveis ??e alertam instantaneamente seus proprietários quando eles são abertos sem autorização.

 

Barreiras e tarifas comerciais costumavam ser a desgraça das economias da África, por isso estou satisfeito que a África agora tenha uma colcha de retalhos apertada de uniões aduaneiras sobrepostas e áreas de livre comércio. No entanto, a implementação nem sempre está acontecendo tão rápido quanto a necessidade econômica exige. Os países da África devem criar a infraestrutura de transporte e logística necessária para dar vida a esses acordos de livre comércio, porque sem eles a África continuará a ter a menor porcentagem de comércio intra-regional do mundo .

 

Ainda assim, no geral, o continente está no caminho certo. A Área de Livre Comércio Continental Africana (AfCFTA) deverá se tornar a maior área de livre comércio do mundo, com um mercado único que abrange as economias com um PIB combinado de US $ 3 trilhões .

 

O calcanhar de Aquiles do potencial econômico da África, no entanto, é – sem surpresa – a falta de infraestrutura do continente . Não ajuda que a África seja o lar de 16 países sem litoral. Sem estradas, ferrovias, portos, zonas de livre comércio e todas as outras partes móveis da logística moderna, simplesmente não haverá investimento suficiente para criar as indústrias e empregos locais de que a África precisa desesperadamente.

 

Os consumidores também sofrem. Agora, mover uma caixa de um porto africano para uma cidade em um país mais interior pode custar cinco vezes mais do que movê-la do Extremo Oriente para a própria África. Em média, a infra-estrutura de transporte deficiente aumenta de 30 a 40% no custo dos bens comercializados entre os países africanos.

 

O continente precisa de uma extensa rede de infraestrutura logística integrada, com corredores que conectam regiões sem litoral com a costa e além, reforçada por infraestrutura digital e física de classe mundial. Na DP World, sabemos por experiência que portos e zonas francas são vitais para turbinar o crescimento de economias emergentes como as da África. Dubai, Equador e outros são testemunhos disso.

 

Fazer isso sempre envolverá confrontos entre normas locais e cultura de segurança, por um lado, e padrões internacionais, por outro. Há muita experiência que pode ser compartilhada, para benefício de todos.

 

Suhail Albanna, que dirige nossas operações na África, recentemente me levou a alguns desses desafios – da introdução de sistemas transparentes que se afastam do dinheiro e das faturas manuscritas; para tornar obrigatório o equipamento básico de segurança, como coletes e capacetes de alta visibilidade. O resultado não é apenas um grande aumento no volume de comércio, ao mesmo tempo que reduz drasticamente os tempos de espera dos navios, mas centenas de empregos que pagam melhor, mais compras locais, assistência médica e treinamento de habilidades para a comunidade local, e mais de 200% aumento de impostos pagos ao governo.

 

O quarto desafio é como os países africanos lidarão com o rápido aumento do investimento direto estrangeiro que está chegando ao continente. É ótimo ver todo esse dinheiro entrando, mas estou profundamente preocupado com a possibilidade de todos esses investimentos terem sido configurados de forma a proporcionar realmente benefícios a longo prazo. Alguns dos novos modelos de investimento oferecidos à África podem prender alguns países (e outras nações em desenvolvimento em outros continentes) em um novo ciclo de dívida (e a dívida geral da África já está aumentando ) ou – pior ainda – resultar na perda de ativos estratégicos .

 

Grandes oportunidades aguardam para serem desbloqueadas na África. O comércio com a África deve ir além da extração de mercadorias do continente e da venda de produtos acabados em troca. Para que a África floresça, os investidores estrangeiros devem ajudar as empresas locais a se tornarem fabricantes e exportadoras.

 

Os investidores precisam se posicionar como parceiros de negócios, não como donos da principal infraestrutura do continente. Os investidores devem se ver como partes interessadas na África, assim como os africanos precisam aproveitar a oportunidade de se tornarem partes interessadas na economia global.


Mais lidas


  O município de Balneário Barra do Sul, no litoral norte de Santa Catarina, poderá ganhar um empreendimento portuário vinculado a um complexo empresarial e de serviços. O empreendimento projetado – por ora é só isso, uma intenção – é denominado “Super porto BBS”. Dizem os investidores potenciais que o negócio poderá ocupar área de […]

Leia Mais

No dia 11 de junho, Data Magna da Marinha, a Comissão de Limites da Plataforma Continental (CLPC) publicou, em seu portal da Organização das Nações Unidas (ONU) na internet, recomendação na qual legitimou ao Brasil incorporar 170.000 km2 de área de Plataforma Continental, além da Zona Econômica Exclusiva.   O processo de estabelecimento do limite exterior […]

Leia Mais