SOPESP NOTÍCIAS

Home   /   Infraestrutura e Investimentos   /   Armadores precisam se certificar das novas regras para evitar punições

Armadores precisam se certificar das novas regras para evitar punições


Fonte: Portos e Navios (16 de janeiro de 2020 )

Armadores precisam se certificar para evitar punições por descumprimento de novas regras de combustível

 

A implementação dos novos padrões do combustível marítimo estabelecidos pela Convenção Internacional para a Prevenção da Poluição por Navios (Marpol) trouxe a necessidade de adaptar a fiscalização exercida pela autoridade marítima. Inicialmente, a ação do inspetor naval (Port State Control) vai se basear na verificação da documentação do navio e da nota de entrega do bunker (Bunker Delivery Note). Os fornecedores de óleo combustível são obrigados a fornecer o BDN. A nota deve ser retida no navio, para fins de inspeção, por um período de três anos após a entrega do combustível.

 

Em caso de denúncias ou indícios que possam gerar dúvidas ao inspetor quanto à qualidade do óleo, poderão ser recolhidas amostras do combustível para análise laboratorial detalhada posteriormente. O BDN é um documento padrão exigido no anexo VI da Marpol que contém informações sobre a entrega de óleo combustível, tais como nome do navio receptor, porto, data, dados de um fornecedor, quantidade e características do óleo combustível — dentre outras a do teor de enxofre. Todo BDN deve ser acompanhado por uma amostra representativa do óleo combustível entregue.


Mais lidas


  O município de Balneário Barra do Sul, no litoral norte de Santa Catarina, poderá ganhar um empreendimento portuário vinculado a um complexo empresarial e de serviços. O empreendimento projetado – por ora é só isso, uma intenção – é denominado “Super porto BBS”. Dizem os investidores potenciais que o negócio poderá ocupar área de […]

Leia Mais

No dia 11 de junho, Data Magna da Marinha, a Comissão de Limites da Plataforma Continental (CLPC) publicou, em seu portal da Organização das Nações Unidas (ONU) na internet, recomendação na qual legitimou ao Brasil incorporar 170.000 km2 de área de Plataforma Continental, além da Zona Econômica Exclusiva.   O processo de estabelecimento do limite exterior […]

Leia Mais