SOPESP NOTÍCIAS

Home   /   Eventos   /   Terminal offshore, o futuro do Porto de Santos 

Terminal offshore, o futuro do Porto de Santos 


Fonte: A Tribuna (14 de janeiro de 2020 )
Santos como um hub port do Brasil, mas com infraestrutura (Foto: Alexsander Ferraz/AT)

O projeto de um terminal de contêineres offshore, localizado a 2 quilômetros da costa, é o tema do Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) de um grupo de quatro alunos da Universidade Santa Cecília (Unisanta). Os engenheiros civis identificaram a necessidade de expansão do Porto de Santos e toda a logística necessária para o transporte de cargas e pessoas até a futura instalação portuária.

 

Natalia Eusaudito Rodrigues, Mariana Reis Sevciuc e Vitor de Lavor Soares foram orientados pelo professor Adilson Gonçalves, que é coordenador do Núcleo Avançado da Associação para Colaboração entre Portos e Cidades (Rete) da universidade e do Núcleo de Estudos Portuários, Marítimos e Territoriais (Nepomt).

 

“No Plano Mestre é apresentado que, em 2050, o Porto de Santos terá a sua máxima expansão no contêiner e, a partir daí, não vamos mais ter espaço para armazenar a carga conteinerizada. A gente tem que ser competitivo com o mercado, mas não vai haver áreas para expansão”, destaca Natalia.

 

A partir dessa constatação, o grupo passou a estudar a movimentação de contêineres e seus impactos, assim como a logística necessária para a expansão da atividade no cais santista.

 

“Pensamos em uma solução que também levasse em consideração um hub port. A gente sempre diz que Santos pode ser um hub port do Brasil, mas precisa criar condições de infraestrutura para atender a essa movimentação”, afirma o orientador da pesquisa.

 

Pelas características do canal de navegação do Porto de Santos, as grandes embarcações têm dificuldades de manobrabilidade. Essa é outra questão que pode ser resolvida com um terminal offshore, que não demandará os altos investimentos em dragagem, necessários no cais santista.

 

Localização

De acordo com os autores do trabalho, a melhor localização para o terminal de contêineres offshore é a cerca de dois quilômetros da costa. O projeto prevê o calado de 20 metros na área de acesso e de 22 metros em cada um dos cinco berços de atracação da instalação.

 

Três deles terão 500 metros de extensão, o que possibilita a atracação de grandes cargueiros, diferentemente do que acontece no Porto de Santos, que estuda a viabilidade de tráfego de navios com 366 metros.

 

“A ideia é buscar uma profundidade compatível com esses navios de maior porte e essa profundidade a gente só vai encontrar em áreas fora do Porto, em mar aberto”, destaca Gonçalves.

 

De acordo com o projeto, o quarto berço será reservado para as operações de cabotagem. A ideia é que cargas com destino aos portos de Manaus, Suape, Salvador, Buenos Aires e Montevidéu sejam descarregadas ali para serem embarcadas em outros cargueiros.

 

Já o quinto berço será reservado para serviços, o que inclui a chegada de cargas e de pessoas, através de barcaças.

 

Segundo Natalia, a área total projetada para o terminal é de 180 hectares. Com isso, até 151 mil TEU (unidade equivalente a um contêiner de 20 pés) poderão ser armazenados no pátio.

 

Já a capacidade de embarques vai atingir a marca de 6 milhões de TEU por ano. O volume é semelhante ao atual do Porto. Em todo o ano passado, o cais santista movimentou 4,1 milhões de TEU.

 

Inspiração

Segundo Vitor Soares, todo o trabalho teve como inspiração o Maasvlakte, no porto de Roterdã, nos Países Baixos. Alguns portos chineses também foram estudados. “Em Roterdã, a cidade também cresceu em volta do porto e foi necessário buscar forma de expansão e foi mar adentro. Lá, eles têm uma característica diferente daqui de Santos, porque aterraram e expandiram a costa. Aqui, isso não é possível”.

 

Outras questões também foram levantadas. “Uma das preocupações foi não atrapalhar a área de fundeio e o canal de acesso ao Porto. Ele está em um ponto estratégico que não afeta nada na área. Também tem uma preocupação paisagística para não interferir no litoral de Guarujá e em Santos”, destaca Vitor Soares.


Mais lidas


  O município de Balneário Barra do Sul, no litoral norte de Santa Catarina, poderá ganhar um empreendimento portuário vinculado a um complexo empresarial e de serviços. O empreendimento projetado – por ora é só isso, uma intenção – é denominado “Super porto BBS”. Dizem os investidores potenciais que o negócio poderá ocupar área de […]

Leia Mais

No dia 11 de junho, Data Magna da Marinha, a Comissão de Limites da Plataforma Continental (CLPC) publicou, em seu portal da Organização das Nações Unidas (ONU) na internet, recomendação na qual legitimou ao Brasil incorporar 170.000 km2 de área de Plataforma Continental, além da Zona Econômica Exclusiva.   O processo de estabelecimento do limite exterior […]

Leia Mais