SOPESP NOTÍCIAS

Home   /   Infraestrutura e Investimentos   /   STF discute se empresa deve pagar contribuição por salário-maternidade

STF discute se empresa deve pagar contribuição por salário-maternidade


Fonte: Money Times (7 de novembro de 2019 )
O salário-maternidade tem o mesmo valor dos vencimentos normais e é pago durante toda a licença de 120 dias à mãe com carteira assinada (Imagem: REUTERS/Ricardo Moraes)

O Supremo Tribunal Federal (STF) começou hoje (6) a discutir se é constitucional a cobrança de contribuição previdenciária sobre o salário-maternidade, que é recebido pelas mulheres empregadas que se licenciam após o parto.

 

Até o momento, o placar está 4 a 3 pela inconstitucionalidade da cobrança. Ainda indefinido, o julgamento foi interrompido por um pedido de vista (mais tempo de análise) do ministro Marco Aurélio Mello. Não há prazo para que o assunto, há mais de dez anos em tramitação no Supremo, volte à pauta do plenário.

 

Os ministros discutem se o salário-maternidade tem natureza remuneratória, estando assim sujeito à cobrança, ou se é um benefício de caráter indenizatório, que estaria isento da cobrança da alíquota do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), atualmente entre 9% e 11%.

 

Hoje, o salário-maternidade é pago pelo empregador às mães licenciadas, mas a quantia é depois descontada dos débitos tributários da empresa, que assim transfere o ônus para o governo. Ainda assim, pela legislação vigente, a empresa precisa incluir o valor na base de cálculo da contribuição previdenciária que incide sobre sua folha de pagamento, sendo obrigada a arcar por conta própria com a alíquota do INSS.

 

O salário-maternidade tem o mesmo valor dos vencimentos normais e é pago durante toda a licença de 120 dias à mãe com carteira assinada. Em troca de benefícios fiscais, algumas empresas permitem a prorrogação do afastamento por mais 60 dias, sem prejuízo do recebimento do salário integral.

 

Julgamento

A maioria dos ministros que votaram nesta quarta-feira (6) entendeu que o salário-maternidade não tem natureza remuneratória, sendo um benefício pago à mulher pelo Estado como uma maneira de garantir a igualdade de oportunidades no mercado de trabalho. Dessa maneira, não poderia haver cobrança de contribuição previdenciária.

 

Esse foi o entendimento do relator, ministro Luís Roberto Barroso, que foi seguido pelos ministros Edson Fachin, Rosa Weber e Cármen Lúcia. Para essa corrente, obrigar as empresas a pagarem a contribuição previdenciária sobre o salário-maternidade seria impor um ônus na contratação de mulheres, o que iria contra a proteção à maternidade preconizada pela Constituição.

 

“Não há nenhuma dúvida de que a Constituição Federal de 1988 adotou uma postura de ampla proteção à mulher em geral e à mulher gestante e mãe em particular”, disse Barroso. “Admitir a incidência de contribuição previdenciária sobre o salário-maternidade importa em permitir uma discriminação que é incompatível com o texto constitucional”, afirmou.

 

Os ministros Alexandre de MoraesRicardo Lewandowski Gilmar Mendes divergiram. Para eles, o salário-maternidade só é pago às mulheres que possuem um contrato de trabalho, o que atesta a natureza remuneratória do pagamento e, consequentemente, a necessidade de se pagar a contribuição previdenciária correspondente.

 

“A preocupação aqui não é com a mulher, não é com a igualdade de gênero, a preocupação aqui é em não pagar tributo”, disse Moraes, numa crítica à empresa que recorreu contra a cobrança no STF.


Mais lidas


No dia 11 de junho, Data Magna da Marinha, a Comissão de Limites da Plataforma Continental (CLPC) publicou, em seu portal da Organização das Nações Unidas (ONU) na internet, recomendação na qual legitimou ao Brasil incorporar 170.000 km2 de área de Plataforma Continental, além da Zona Econômica Exclusiva.   O processo de estabelecimento do limite exterior […]

Leia Mais