SOPESP NOTÍCIAS

Home   /   Infraestrutura e Investimentos   /   Posto de escalação de trabalhadores do Porto de Santos será fechado

Posto de escalação de trabalhadores do Porto de Santos será fechado


Fonte: G1 (7 de novembro de 2019 )
Ogmo anuncia encerramento das atividades do Posto de Escalação 1 (P1) — Foto: Reprodução/Google

O Órgão de Gestão de Mão de Obra do Trabalho Portuário do Porto Organizado de Santos (Ogmo-Santos) anunciou, nesta quarta-feira (6), o encerramento das atividades do Posto de Escalação 1 (P1), localizado no bairro do Saboó em Santos, no litoral de São Paulo. A decisão é questionada por representantes da categoria dos estivadores.

 

A decisão aponta que o P1 será fechado a partir do dia 3 de dezembro e que a medida foi aprovada em assembléia, realizada na última terça-feira (5). O Ogmo aponta que o encerramento das atividades do posto foi decidido com base na constatação da queda da frequência de trabalhadores avulsos no local, após a implementação do projeto Escala Digital.

 

De acordo com o Sindicato dos Estivadores de Santos, São Vicente, Guarujá e Cubatão (Sindestiva), o fechamento do P1 coloca em risco a segurança, integridade física e higiene dos trabalhadores, que deverão ser buscar ou o atendimento digital ou se concentrarem no Posto de Escalação 3 (P3), na Avenida Mário Covas, na Ponta da Praia.

 

O Sindestiva aponta, ainda, que o Ogmo tem a obrigação de garantir as normas de segurança e saúde dos trabalhadores e o cumprimento de recomendações da Organização Internacional do Trabalho (OIT), as quais não são respeitadas atualmente.

 

Por meio de nota, o Ogmo aponta que, do total de trabalhadores de todas as categorias que realizam a escala presencial, 10% deles utilizam a unidade, frequentada por três dos oitos sindicatos registrados junto ao órgão. A empresa também aponta que serão mantidas as atividades da escala presencial no Posto de Escalação 3.

 

Manifestações
Representantes do Sindestiva e estivadores realizaram manifestações contra a implantação da escala digital, em agosto de 2019. Na ocasião, o Sindestiva apontou que o método prejudica e vai contra as regras e lei que regem a categoria, além de não dar segurança à escalação da categoria.

 

O Ogmo informou, ainda que a disponibilização das novas opções de escalação não implicam em nenhuma mudança às regras de escalação já existentes e não alteram as decisões judiciais sobre excepcionalidade vigentes, bem como cumpre os compromissos assumidos pela entidade junto às autoridades competentes.


Mais lidas


No dia 11 de junho, Data Magna da Marinha, a Comissão de Limites da Plataforma Continental (CLPC) publicou, em seu portal da Organização das Nações Unidas (ONU) na internet, recomendação na qual legitimou ao Brasil incorporar 170.000 km2 de área de Plataforma Continental, além da Zona Econômica Exclusiva.   O processo de estabelecimento do limite exterior […]

Leia Mais