SOPESP NOTÍCIAS

Home   /   Infraestrutura e Investimentos   /   China reluta em assinar acordo comercial sem que EUA suspendam tarifas em vigor

China reluta em assinar acordo comercial sem que EUA suspendam tarifas em vigor


Fonte: Valor Econômico (7 de novembro de 2019 )
Foto: Steve Helber / Associated Press

Pequim dobrou as apostas em exigências que ameaçam adiar o acordo comercial preliminar com os Estados Unidos, após um mês bem-sucedido de eventos políticos de alto nível na China, que fortaleceram a determinação do governo.

 

O desfile militar realizado em 1º de outubro, comemorando o 70º aniversário da República Popular, terminou sem problemas. Na semana passada, o Partido Comunista da China encerrou a quarta sessão plenária do atual Comitê Central sem incidentes.

 

Esses resultados encorajaram Pequim a insistir que os EUA retirem todas as tarifas cobradas desde o verão do ano passado antes de assinar o acordo comercial. Enquanto isso, o presidente americano, Donald Trump, espera assinar a primeira fase do acordo ainda neste mês, criando uma situação propícia para reacender as tensões.

 

Washington está preparado para deixar de lado questões estruturais, concentrando-se em medidas específicas para que a China expanda as importações americanas. Tal resultado seria crucial para reduzir o déficit comercial dos EUA com a China, que alcançou US$ 420 bilhões no ano passado.

 

Os dois lados estão finalizando um acordo no qual a China importará dos EUA gás natural liquefeito, bem como soja e outros produtos agrícolas, explicou na terça-feira o secretário de Comércio dos EUA, Wilbur Ross. O acordo ajudaria a reduzir as tensões e a restabelecer a confiança entre os EUA e a China, segundo Ross, que havia participado da cúpula da Associação das Nações do Sudeste Asiático na Tailândia, em Bangcoc.

 

As negociações sobre serviços financeiros e câmbio estão praticamente concluídas, disse uma autoridade da Casa Branca. No entanto, questões importantes, como a proteção dos direitos de propriedade intelectual, continuam pendentes.

 

Devido às tarifas de retaliação da China, os produtos agrícolas americanos exportados para lá caíram para cerca de US$ 9 bilhões em 2018. Diante deste quadro, Trump pressiona a China a comprar até US$ 50 bilhões em produtos agrícolas anualmente nos próximos dois anos.

 

Pequim chamou essas metas de irreais. Acredita-se que os negociadores chineses propuseram levar as importações agrícolas de volta à faixa de US$ 20 bilhões, a escala vista antes da guerra comercial.

 

Pré-requisito

A China sinalizou uma postura segura de si nas últimas semanas. O Diário do Povo, veículo porta-voz do Partido Comunista, publicou um artigo declarando que resolver tais preocupações, como as tarifas, é o pré-requisito para um acordo comercial.

 

O maior ponto de discórdia é a retirada completa das tarifas impostas pelos EUA. Desde o verão de 2018, a Casa Branca aplicou impostos de até 25% em cerca de US $ 360 bilhões em importações chinesas.

 

A questão central continua sendo até onde os EUA manterão esta postura. O Financial Times informou na terça-feira que os funcionários do governo Trump estão considerando uma reversão parcial da tarifa de 15% aplicada a US$ 112 bilhões em importações chinesas em 1º de setembro. Há também uma chance de a China evitar impostos de US$ 156 bilhões em produtos de consumo, como smartphones, que entrariam em vigor em dezembro.

 

Pequim ainda enfrenta grandes obstáculos em sua tentativa de eliminar todas as tarifas punitivas. O representante comercial dos EUA, Robert Lighthizer, alertou para o risco de a China voltar atrás em suas promessas assim que as tarifas forem retiradas.

 

Como impeditivo, os EUA buscam uma medida que restabeleça as tarifas caso a China volte atrás em relação aos compromissos. Pequim, que insistiu em um acordo justo e igualitário, aparentemente rejeitou uma abordagem tão unilateral.

 

Os dois lados também estão discutindo onde assinar o acordo comercial inicial. Trump quer realizar a cerimônia de assinatura nos EUA e sugeriu o Estado de Iowa, campo de sua batalha eleitoral. A ideia seria reunir apoio de sua base entre os agricultores, especialmente num momento em que o mandatário americano enfrenta uma investigação que pode resultar em impeachment.

 

Se o presidente chinês Xi Jinping viajar para os EUA, entretanto, ele corre o risco de ter uma surpresa indesejada de última hora e em território americano. Esse cenário causaria grandes danos ao capital político construído nas últimas semanas.


Mais lidas


No dia 11 de junho, Data Magna da Marinha, a Comissão de Limites da Plataforma Continental (CLPC) publicou, em seu portal da Organização das Nações Unidas (ONU) na internet, recomendação na qual legitimou ao Brasil incorporar 170.000 km2 de área de Plataforma Continental, além da Zona Econômica Exclusiva.   O processo de estabelecimento do limite exterior […]

Leia Mais