SOPESP NOTÍCIAS

Home   /   Eventos   /   ‘Uberização’ leva armadores a rever processos e mirar novos negócios

‘Uberização’ leva armadores a rever processos e mirar novos negócios


Fonte: Portos e Navios (6 de novembro de 2019 )

O setor de navegação entendeu que as tecnologias disruptivas vão cada vez mais pressionar por mudanças e direcionar os armadores para mais perto de seus clientes, que buscam eficiência operacional e agilidade na solução de problemas logísticos. A tendência é que, em todas as decisões tomadas, os grandes transportadores marítimos mundiais levem em consideração as transformações e os processos inovadores que surgem no mercado global de transportes. Os armadores e operadores logísticos precisam lidar com clientes mais exigentes e prazos mais apertados de entrega, o que demanda quebra de paradigmas em práticas consolidadas por décadas.

 

O chamado processo de ‘Uberização’ que trouxe startups altamente competitivas a mercados sólidos faz com que os proprietários de ativos se tornem gradativamente meros prestadores de serviços. A dinâmica de entrega da Amazon, por exemplo, forçou mudanças no fluxo de operações e motivou adequações e melhorias para a Fedex nos Estados Unidos. Esse é um caso de empresa sem uma grande quantidade de ativos que têm como diferencial superar gargalos e simplificar a carga administrativa dos clientes.

 

“O desafio hoje para as empresas é diminuir a carga administrativa dos clientes”, apontou o chefe de intermodalidade da Hamburg Süd/Aliança para costa leste sul-americana, Fernando Camargo, durante painel do seminário de logística organizado pela Câmara de Comércio e Indústria Brasil-Alemanha (AHK). Ele percebe os compradores se especializando e conhecendo cada vez mais da cadeia do negócio, inclusive a parte do transporte marítimo. Camargo contou que a movimentação da Hamburg Süd na direção do cliente já existia e ganhou força com a fusão com a Maersk. Ele disse que a Aliança, braço de cabotagem do grupo no Brasil, já tem a seu favor a experiência adquirida no porta a porta. O desafio é simplificar a operação e agregar valor aos clientes.

 

A Aliança é usuária dos modais rodoviário, ferroviário e hidroviário na composição de soluções que atendam ao prazo de entrega das mercadorias. Segundo Camargo, a intermodalidade deixou de ser vista como um serviço acessório, assim como a área de tecnologia da informação (TI), na medida em que esta passou a ser estratégica. A expectativa é que nos próximos anos o grupo Maersk abra o leque de oportunidades para negócios além do mercado marítimo que hoje representa mais de 80% de seu faturamento. A empresa aposta numa plataforma blockchain, em parceria a nível internacional com a IBM. “Não adianta se propor a fazer um serviço global e integrado se não tivermos isso no futuro”, salientou Camargo.

 

O gerente geral de negócios da MRS Logística, Guilherme Alvisi, disse que operadores do transporte marítimo e ferroviário vivem momentos semelhantes, buscando mercados que não eram atingidos e agregar valor em etapas em que antes somente outros players da cadeia faturavam. Nesse processo, ele vê cargas tradicionalmente transportadas por rodovias e que puderam ser prospectadas e incorporadas a esses dois modais. Já o gerente de operações logísticas da B Braun, Felipe Gonzalez, considera que a multimodalidade é fundamental para o tipo de negócio da empresa, que fornece produtos médicos hospitalares. Ele destacou a necessidade de informações em tempo real e entrega no prazo ao cliente final, já que a maioria dos hospitais trabalha com margens apertadas de estoque, o que não permite atrasos no recebimento de determinados produtos.


Mais lidas


No dia 11 de junho, Data Magna da Marinha, a Comissão de Limites da Plataforma Continental (CLPC) publicou, em seu portal da Organização das Nações Unidas (ONU) na internet, recomendação na qual legitimou ao Brasil incorporar 170.000 km2 de área de Plataforma Continental, além da Zona Econômica Exclusiva.   O processo de estabelecimento do limite exterior […]

Leia Mais