SOPESP NOTÍCIAS

Home   /   Infraestrutura e Investimentos   /   Exportadores aguardam novas habilitações de frigoríficos pela China

Exportadores aguardam novas habilitações de frigoríficos pela China


Fonte: Valor Econômico (6 de novembro de 2019 )

Os exportadores brasileiros estão animados com a possibilidade de que a China habilite mais uma leva de frigoríficos para exportar ao país. No setor privado, a expectativa é que um anúncio ocorra ainda no curto prazo. Companhias como BRF, JBS e Aurora devem aparecer na nova lista do país asiático.

 

Na semana passada, autoridades chinesas inspecionaram, por meio de videoconferência, abatedouros de frangos, suínos e bovinos do Brasil, disseram quatro fontes ao Valor.

 

Conforme uma das fontes, as indústrias avícolas mais perto de serem habilitadas por Pequim pertencem à Seara, da JBS, à Zanchetta e à Unitá, sociedade entre as cooperativa Copacol, Coagru e Cooperflora. No caso da carne suína, Aurora, BRF e Seara estariam bem posicionadas.

 

O otimismo com a ampliação do acesso ao mercado chinês coincide com a proximidade da cúpula dos Brics, que ocorrerá na semana que vem em Brasília. O presidente chinês, Xi Jinping, virá ao país para o encontro. Na avaliação de uma fonte, o mandatário poderá chegar ao Brasil já com o presente anunciado.

 

No Ministério da Agricultura, a ordem tem sido evitar previsões sobre os anúncios de Pequim. Assim, evita-se transmitir às autoridades chineses a impressão de que Brasília estaria fazendo pressão.

 

Em julho, o secretário-executivo do Ministério da Agricultura, Marcos Montes, chegou a prever, em entrevista ao Valor, que a China liberaria dezenas de frigoríficos em “dez dias”, o que não se confirmou.

 

À época, Pequim chegou a enviar um documento criticando a pressão. O episódio atrasou o anúncio para setembro, quando o país asiático finalmente habilitou 25 plantas do Brasil — 17 de carne bovina, seis de frango, uma de suíno e uma de jumento. Na segunda-feira, a China liberou a exportação de miúdos suínos de sete unidades catarinenses.

 

Na indústria frigorífica, as habilitações chinesas geram ansiedade devido ao imenso potencial de vendas. Em outubro, o primeiro mês completo após a China liberar as exportação de mais 17 abatedouros de bovinos, as exportações de carne do país registraram o melhor desempenho da história, segundo dados divulgados pela Associação Brasileira das Indústrias Exportadoras de Carnes (Abiec).

Em razão da epidemia de peste suína africana que dizimou o plantel chinês — o país responde por 50% do consumo global de carne suína — , a demanda da China está aquecida. De acordo com um executivo de uma das maiores agroindústrias exportadoras, o preço médio de alguns cortes de suínos com embarque para a China programado para dezembro saem por US$ 5 mil a tonelada. Há um ano, esses itens eram vendidos por US$ 2 mil.

 

Paralelamente às habilitações de frigoríficos, o governo brasileiro busca abrir o mercado chinês à genética avícola. Desde a última segunda-feira, uma comitiva de técnicos chineses está no Brasil para inspecionar estabelecimentos de produção de material genético. O grupo fará uma série de vistorias em quatro empresas até ia 11. O roteiro dos quatro auditores também inclui visitas a um laboratório oficial do Ministério da Agricultura e a uma unidade da Vigiagro (Unidade de Vigilância Agropecuária).

 

Nesse caso, a expectativa do setor produtivo nacional é que a China possa abrir seu mercado principalmente para a importação de ovos férteis produzidos no Brasil. Com eles, os chineses podem produzir matrizes e aumentar o plantel.

 

“O Brasil goza de credibilidade genética e sanitária, isso porque é o único grande produtor sem registros de gripe aviária. “A parte genética e sanitária é a melhor do mundo, igual ou melhor que da Europa e dos Estados Unidos”, avaliou Érico Pozzer, ex-presidente Câmara Setorial de Aves e Suínos do Ministério da Agricultura.


Mais lidas


No dia 11 de junho, Data Magna da Marinha, a Comissão de Limites da Plataforma Continental (CLPC) publicou, em seu portal da Organização das Nações Unidas (ONU) na internet, recomendação na qual legitimou ao Brasil incorporar 170.000 km2 de área de Plataforma Continental, além da Zona Econômica Exclusiva.   O processo de estabelecimento do limite exterior […]

Leia Mais