SOPESP NOTÍCIAS

Home   /   Mercado   /   Compliance no setor portuário como garantia jurídica nas relações comerciais

Compliance no setor portuário como garantia jurídica nas relações comerciais


Fonte: Fórum Santos Export (6 de novembro de 2019 )

As questões sobre ética e transparência entre relações de uma empresa, de um governo e da sociedade em geral avançam em todos os níveis de relacionamento, ganhando força nas negociações entre entes públicos e particulares, bem como em assuntos transnacionais. Para que essas mudanças ocorram é necessária a imposição de normas e estabelecimento de padrões de ética, conduta e transparência nas relações negociais envolvendo entes particulares e organizações públicas.

 

A legislação brasileira há muito tempo vem preparando o caminho para a chegada da aplicação do compliance, um dos pilares da governança corporativa.

 

A Lei das Sociedades Anônimas, Lei nº 6.404/76, foi a primeira a contemplar normas voltadas à governança corporativa, mesmo que não utilizando esse termo, quando estabelece competências do Conselho de Administração. De lá para cá foram publicadas outras normas que fazem interface com a atual Lei Anticorrupção, Lei nº 12.846/2013. Dentre elas está a Lei de Licitações Públicas, Lei nº 8.666/1993, que prevê sanções para as pessoas jurídicas que praticam atos ilícitos contra a administração pública objetivando frustrar a licitação.

 

Dando um salto para o ano de 2016, temos a Lei nº 13.303 – Responsabilidade das Estatais, que aponta de forma objetiva as regras de estruturas e práticas de gestão de riscos e controle interno, e ainda estabelece requisitos de transparência nas divulgações das informações.

 

Imagem de saladospais no site Pixabay

No dispositivo que trata sobre transparência nas divulgações das informações temos que observar a Lei de Acesso à Informação, Lei nº 12.527/2011, e no dispositivo que trata sobre gestão de risco e controle interno devemos observar e trabalhar com interface às práticas contábeis e planejamento tributário.

 

A aplicação do compliance no setor portuário deve ser observada sob o atendimento às normas brasileiras e internacionais, principalmente sob as regras estritas da Sarbaney-Oxley, conhecida como SOx, tendo em vista que muitas organizações internacionais operam no setor portuário brasileiro.

 

A obrigatoriedade de observância das leis, dos regulamentos, das normas de governança corporativa e de compliance e das normas internacionais visam atingir a total transparência entre as partes envolvidas no negócio, evitando que haja fragilidades que possam comprometer a segurança jurídica do contrato ocasionando a diminuição do seu valor.


Mais lidas


No dia 11 de junho, Data Magna da Marinha, a Comissão de Limites da Plataforma Continental (CLPC) publicou, em seu portal da Organização das Nações Unidas (ONU) na internet, recomendação na qual legitimou ao Brasil incorporar 170.000 km2 de área de Plataforma Continental, além da Zona Econômica Exclusiva.   O processo de estabelecimento do limite exterior […]

Leia Mais