SOPESP NOTÍCIAS

Home   /   Infraestrutura e Investimentos   /   Panamá implementará uma plataforma para simplificar o processo de registro de navios no final de 2020

Panamá implementará uma plataforma para simplificar o processo de registro de navios no final de 2020


Fonte: Mundo Marítimo (13 de setembro de 2019 )

De acordo com o Registro Naval do Panamá, os sistemas atuais usados pela Direção Geral de Marinha Mercante (Registro de Navios) e pela Direção Geral de Registro Público de Navios da Autoridade Marítima do Panamá serão integrados em uma única plataforma chamada “Sistema Eletrônico de Ship Registration (ESRS)”, a fim de simplificar o processo de registro.

 

O diretor da Marinha Mercante e chefe do Registro de Navios do Panamá, Rafael Cigarruista, indicou que “a integração em uma única plataforma facilitará o procedimento para o usuário, que é o nosso principal objetivo”.

 

Dessa forma, o novo sistema global incluirá inovações adaptadas à tecnologia existente e melhorias no processo de registro.

 

Vale ressaltar que os principais recursos do registro permanecerão disponíveis na plataforma, como certificado de registro de navio, cancelamentos, registro de hipoteca, licenças de navio e rádio, certificados de propriedade e penhor e descontos, reservas de nomes e documentos gerais do navio.

 

Concurso

A Autoridade Marítima do Panamá (AMP) está pedindo um concurso internacional que será executado até o primeiro trimestre de 2020 para empresas interessadas em fornecer o software.

 

“A implementação será realizada em fases e deve estar totalmente operacional até o final de 2020”, disse Cigarruista.

 

“Usuários, armadores, operadores, gerentes, bancos e / ou escritórios de advocacia podem usar a plataforma diretamente. No final, será um sistema único. O sistema ICP, que até agora apenas os advogados usavam. A plataforma será versátil em diferentes idiomas. Esse novo sistema nos posicionará na era global “, acrescentou o diretor da Merchant Marine.

 

Processo de digitalização

Além disso, a AMP detalhou que o ESRS oferecerá diferentes facilidades aos usuários, incluindo:

 

  • Assinatura eletrônica, ou seja, todos os documentos serão assinados eletronicamente; Essa funcionalidade implica um acordo com o Registro Público do Panamá e sua Direção Geral de Assinatura Eletrônica. Portanto, todos os Certificados de Registro Eletrônico (patentes de remessa, licenças de rádio etc.) usando um código QR e / ou código de barras estarão acessíveis para impressão;
  • Gateway de pagamento: todos os diferentes métodos de pagamento atualmente utilizados, como cartões de crédito e débito, estarão disponíveis;
  • Calculadora -Cálculo: Os usuários podem calcular os custos de cada operação, incluindo descontos, através da plataforma web;
  • Emissão de certificações eletrônicas: os usuários podem solicitar e receber suas certificações de propriedade e ônus e assinadas eletronicamente, em inglês e espanhol;
  • Posto eletrônico: A emissão eletrônica do Apostille facilitará o processo de legalização perante o Ministério das Relações Exteriores e aumentará o nível de satisfação do usuário;
  • Rastreamento on-line: um aplicativo (App) para dispositivos móveis permitirá o monitoramento dos procedimentos executados e os alertas serão enviados por e-mail através das diferentes etapas do processo de registro;
  • Módulo de estatística: o ESRS permitirá o gerenciamento de relatórios, gráficos dinâmicos e indicadores para dados estatísticos;
  • Validação do Certificado de Liquidação de Impostos: A apresentação do Certificado de Liquidação de Impostos não será mais necessária para os procedimentos exigidos pela Diretoria Geral de Registro de Bens Públicos dos Navios, uma vez que a validação será realizada através do sistema;

 

Autenticação consular eletrônica: as certificações legalizadas pelos cônsules do Panamá podem ser feitas através do sistema e respaldadas por sua assinatura eletrônica.


Mais lidas


No dia 11 de junho, Data Magna da Marinha, a Comissão de Limites da Plataforma Continental (CLPC) publicou, em seu portal da Organização das Nações Unidas (ONU) na internet, recomendação na qual legitimou ao Brasil incorporar 170.000 km2 de área de Plataforma Continental, além da Zona Econômica Exclusiva.   O processo de estabelecimento do limite exterior […]

Leia Mais