SOPESP NOTÍCIAS

Home   /   Infraestrutura e Investimentos   /   Brasil busca diversificar pauta de exportações ao Oriente Médio

Brasil busca diversificar pauta de exportações ao Oriente Médio


Fonte: USUPORT (13 de setembro de 2019 )

A ministra da Agricultura, Tereza Cristina, partiu na noite de ontem para sua primeira viagem oficial ao Oriente Médio. Fará escalas no Egito, na Arábia Saudita, nos Emirados Árabes Unidos e no Kuwait, e leva na bagagem o desafio de tentar diversificar a pauta de exportações do agronegócio brasileiro na região, muito concentrada em carnes, sobretudo de frango. A missão comercial terá duração de dez dias.

 

Segundo o ministério da Agricultura, há potencial para o Brasil ampliar as vendas de carne bovina, grãos, farelo de soja, frutas e lácteos para a região. Apesar de os muçulmanos não consumirem carne suína por questões religiosas, até para esse produto há oportunidades – especificamente nos Emirados Árabes Unidos, em consequência do turismo e do mercado gastronômico desenvolvido de Dubai.

 

Atualmente, cerca de 40% das importações de carne de aves dos países do Oriente Médio são provenientes do Brasil, o que indica menos espaço para crescer nesse mercado, de acordo com um negociador do governo brasileiro – segundo ele, um embaixador árabe, em tom de brincadeira, disse “no more chicken” recentemente em uma reunião sobre perspectivas para esse comércio.

 

A BRF, maior exportadora de frango para a região, conta inclusive com uma planta em Abu Dhabi, nos Emirados, que o presidente do conselho da empresa, Pedro Parente, visitou em agosto. O governo brasileiro não descarta, no futuro, incentivar modelos de parceria para que outras empresas possam produzir em países da região. Até porque países como a Arábia Saudita, por exemplo, planejam incentivar o crescimento da indústrias locais de alimentos e reduzir as importações nas próximas décadas.

 

Ao Valor, Tereza Cristina confirmou que, em duas reuniões recentes, o ministro saudita da Agricultura foi categórico: no caso da carne de frango, seu país não quer comprar volume superior a 450 mil toneladas por ano do Brasil, para abrir espaço à produção doméstica. Segundo a ministra, os sauditas demonstraram interesse em desenvolver outras etapas do processo de produção halal.

 

No Egito, a comitiva do Ministério da Agricultura também espera tratar da decisão do país de deixar de comprar carne de frango de todos os seus fornecedores, incluindo o Brasil. Em 2018, as exportações agropecuárias brasileiros a 22 países árabes e integrantes da Organização para a Cooperação Islâmica (55 nações no total) somaram US$ 16,1 bilhões, ou quase 20% da receita total dos embarques do agronegócio brasileiro.

 

Daí porque Tereza Cristina há tempos queria visitar a região. Sobretudo depois das rusgas provocadas pela insistência inicial do governo de Jair Bolsonaro de transferir a embaixada brasileira em Israel de Tel-Aviv para Jerusalém, o que seria um sinal político negativo para a maior parte dos países árabes. A embaixada não foi transferida e a poeira baixou, mas gestos de boa vontade são sempre bem recebidos.


Mais lidas


No dia 11 de junho, Data Magna da Marinha, a Comissão de Limites da Plataforma Continental (CLPC) publicou, em seu portal da Organização das Nações Unidas (ONU) na internet, recomendação na qual legitimou ao Brasil incorporar 170.000 km2 de área de Plataforma Continental, além da Zona Econômica Exclusiva.   O processo de estabelecimento do limite exterior […]

Leia Mais