SOPESP NOTÍCIAS

Home   /   Infraestrutura e Investimentos   /   Contêineres dobráveis: a inovação da Navlandis que visa solucionar o problema dos contêineres vazios

Contêineres dobráveis: a inovação da Navlandis que visa solucionar o problema dos contêineres vazios


Fonte: Revista Cargo (15 de agosto de 2019 )

Foi a inovação a catapultar a empresa espanhola Navlandis para o estrelato e será a inovação a fazer desta a grande sensação de 2019 no contexto do setor do transporte marítimo de cargas: a empresa valenciana está prestes a lançar no mercado o conceito de contêiner dobrável, tal como revela uma reportagem efetuada, no arranque deste mês, pelo jornal espanhol ‘Valencia Plaza’. No centro das atenções está Miguel Navalón.

 

O CEO da empresa Navlandis mergulhou no processo de edificação deste novo conceito de contêiner em 2015, tentando dar solução para o problema da vasta quantidade de contentores que viajam vazios e do consequente espaço que ocupam nos navios e nos terminais. Miguel Navalón tentou encontrar a fórmula perfeita para reduzir o impacto gerado pelos contentores que, após ficarem vazios, continuam a ser um empecilho logístico.

 

Vislumbre do Porto de Valência fez despontar solução para os contentores vazios

A ideia de contêiner dobrável surgiu de uma conversa informal em que alguém frisava a quantidade de contentores vazios no Porto de Valência e se seria possível fazer algo sobre isso, revelou Navalón à publicação. Começou aí o objetivo de solucionar a questão: atualmente, o sistema da Navlandis foi patenteado em Espanha e está em processo de obtenção da patente internacional.

 

Após passar por várias fases de pesquisa e desenvolvimento e até de inclusão em programas de aceleração destinados a startups emergentes, a Navlandis já recebeu vários elogios por banda das transportadoras marítimas, interessadas neste novo conceito: O transporte marítimo tem um forte componente de emissões de CO2; o problema com a gestão de contentores reside no fato de 25% viajarem vazios e passa metade da sua vida útil em terra, à espera de serem recolhidos. Isso causa 200 milhões de toneladas de emissões de CO2 por ano, explicou o CEO.

 

Menos CO2, menos espaço ocupado em terra e maior poupança

Ao sermos capazes de colocar cinco contentores no espaço de apenas um, reduzimos as despesas em cinco vezes no transporte e armazenamento, e, por ser dobrável, reduzem-se as complexidades das operações de carga e descarga. Estimamos economias de 30% para as empresas na gestão de contentores vazios e diminuir em 80% o espaço ocupado em terra, acrescentou Miguel Navalón. A tudo isto soma-se uma redução de 16% de CO2 do transporte marítimo na gestão e manuseamento de contentores vazios.


Mais lidas


No dia 11 de junho, Data Magna da Marinha, a Comissão de Limites da Plataforma Continental (CLPC) publicou, em seu portal da Organização das Nações Unidas (ONU) na internet, recomendação na qual legitimou ao Brasil incorporar 170.000 km2 de área de Plataforma Continental, além da Zona Econômica Exclusiva.   O processo de estabelecimento do limite exterior […]

Leia Mais