SOPESP NOTÍCIAS

Home   /   Infraestrutura e Investimentos   /   Tomada de decisão em investimento portuário: o que é isso?

Tomada de decisão em investimento portuário: o que é isso?


Fonte: Portos e Navios (16 de maio de 2019 )

A reforma portuária iniciada com a edição da Medida Provisória n. 595, em dezembro de 2012, que foi convertida na Lei 12.815/2013 (Lei dos Portos), e que encadeou uma série de normativos, tem ampliado a participação da iniciativa privada no setor. Mas há problemas. Assim sendo, como o investidor pode reduzir seu risco na tomada de decisão em investimento portuário?

 

Ao mesmo tempo em que acabou com a diferença entre carga própria e carga de terceiros, pelo Decreto 6.620/2008, editado sem Análise de Impacto Regulatório pelo então Ministro dos Portos, Pedro Brito, a Reforma Portuária permitiu os investimentos de armadores estrangeiros no setor de operação de contêiner sem que haja até a presente data qualquer regulação econômica com oversight eficaz.

 

Nesse ambiente, portanto, deve-se mencionar que existe uma ciência que cuida da tomada de decisão aplicada a investimentos que atua na interface da economia com a administração e até mesmo com a regulação (jurídica).

 

Assim, algumas perguntas podem ser feitas:

Quais são os fatores que o investidor deve considerar para aplicar seus recursos no setor portuário? Quais as vantagens e desvantagens de investir num terminal arrendado ou de uso privado (TUP)? Essas modalidades são tratadas de modo distinto na legislação e na regulação econômica.

 

Como se dá a modelagem de um problema decisório para um investidor privado que, perante a necessidade de um novo investimento, se detém na possibilidade de investimento entre essas duas alternativas? A assimetria legal e regulatória é correlacionada com a decisão de investimento.

 

Quais são os principais atributos jurídicos, econômicos, financeiros e operacionais que influenciam a decisão de investimento entre as duas formas de exploração da atividade? A modelagem de um problema decisório sobre casos concretos de decisão entre TUP e arrendamento pode ser útil para reduzir o risco do investimento?

 

Diante do processo de verticalização do setor (armador como sócio de terminais portuários) e da ineficácia da defesa da concorrência no setor, quais são as cautelas e medidas que o investidor privado deve ter para explorar um terminal portuário? E no caso dos portos secos, recintos alfandegados localizados na zona secundária, com crescente conflito e judicialização, como equilibrar esses interesses?

 

Quais são os principais problemas regulatórios que podem afetar o investidor portuário do ponto de vista da defesa da concorrência entre terminais molhados e secos? Quais são os principais temas que se encontram judicializados, em fase de estudos na Agência Nacional de Transportes Aquaviários e que demandam atenção do regulado?

 

Nesse cenário, é importante conhecer critérios gerais da decisão de investimento portuário. Qual é o papel da microeconomia e dos critérios financeiros? E do ponto de vista da macroeconomia e das alianças globais?

 

A fim de contribuir para reduzir tais riscos, é relevante a tomada de decisão, ciência  aplicada a investimentos que atua na interface da economia com a administração e até mesmo com a regulação (jurídica).

 

Tomada de decisão em investimento portuário será o tema de workshop no dia 3 de julho, no Rio de Janeiro, organizado pela Portos e Navios. Mais informações e inscrições no link https://www.portosenavios.com.br/tomada-de-decisao-e-investimento

 

Osvaldo Agripino é Advogado (UERJ, 1992) e consultor de empresas em regulação da infra-estrutura de transporte e portos, e comércio exterior. Oficial de Náutica da Marinha Mercante, com experiência de quatro anos a bordo de  navios mercantes no longo curso, tendo operado em 27 países e 65 portos. Professor do Mestrado em Engenharia de Transportes (UFSC) e do Mestrado e Doutorado em Ciência Jurídica da Univali (Conceito 6 CAPES). Senior Fellow do Center for Business and Government da Harvard University. Sócio do Agripino & Ferreira Advocacia e Consultoria. Doutor em Direito (UFSC, 2001). Autor e organizador de 24 livros e 120 artigos sobre Direito Portuário, Direito Marítimo e Regulação de Transportes e Portos.

 

Thaiane Pinheiro Cabral é Economista formada pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) e Mestre em Engenharia de Transportes e Gestão Territorial (UFSC). Pesquisadora do campo econômico e de gestão portuária, desenvolveu pesquisa sobre análise de decisão de investimento portuário diante da assimetria regulatória entre arrendamento e Terminal de Uso Privado (TUP).


Mais lidas


  A reunião contou com a participação de representantes da ACS (Associação Comercial de Santos), CAP (Conselho de Autoridade Portuária), FIESP (Federação das Indústrias do Estado de São Paulo), CONSAD (Conselho de Administração da CODESP), ABTTC (Associação Brasileira dos Terminais Retroportuários e das Transportadoras de Contêineres), SINDSAN (Sindicato das Empresas de Transporte Comercial de Carga do Litoral […]

Leia Mais