SOPESP NOTÍCIAS

Home   /   Infraestrutura e Investimentos   /   Obra da bacia de evolução dos Portos de Itajaí e Navegantes termina sem atingir tamanho esperado

Obra da bacia de evolução dos Portos de Itajaí e Navegantes termina sem atingir tamanho esperado


Fonte: G1 (14 de maio de 2019 )

A bacia de evolução dos portos de Itajaí e Navegantes ficou pronta sem entregar a largura e profundidade esperada pelos administradores, o que permitiria a entrada de navios maiores. Por isso, só no Porto de Navegantes, 20 navios tiveram que ser redirecionados neste ano, com um prejuízo de cerca de R$ 24 milhões para a economia local.

 

A expectativa era receber navios com 336 metros de largura, como os ocorre nos maiores portos do país. Desde julho de 2016 os portos esperavam a conclusão das obras, que foram concluídas quase 3 anos depois.

 

O contrato daquela época previa um volume de material a ser retirado do fundo do rio na obra. Quando esse volume foi atingido, a empresa considerou os trabalhos encerrados. No entanto, a quantidade de detritos aumentou ao longo dos anos e prejudicou o tamanho final da bacia.

 

Para o governo do estado, não há nenhuma irregularidade no contrato e na entrega.

 

Investimento e prejuízo
O governo do estado investiu R$ 125 milhões na obra. Cálculos preliminares apontam que devem ser investidos mais R$ 50 milhões para a expansão no tamanho necessário, sob responsabilidade do Porto de Itajaí.

 

O diretor-superintendente da Portonave, Osmari Castilho Ribas, calcula que cada a contêiner movimenta cerca de R$ 1,2 mil na economia da região, por isso os R$ 24 milhões de prejuízo com os 20 navios.

 

“É uma linha que nós temos atualmente de Ásia ela traz o convencional bastante importação, importante pra nossa região, e nós temos perdido essas atracações pela nossa ausência de área de manobra”, diz Ribas.


Mais lidas


No dia 11 de junho, Data Magna da Marinha, a Comissão de Limites da Plataforma Continental (CLPC) publicou, em seu portal da Organização das Nações Unidas (ONU) na internet, recomendação na qual legitimou ao Brasil incorporar 170.000 km2 de área de Plataforma Continental, além da Zona Econômica Exclusiva.   O processo de estabelecimento do limite exterior […]

Leia Mais