SOPESP NOTÍCIAS

Home   /   Infraestrutura e Investimentos   /   Ecovix projeta 400 empregos no polo naval de Rio Grande

Ecovix projeta 400 empregos no polo naval de Rio Grande


Fonte: Portos e Navios (14 de maio de 2019 )

Em recuperação judicial, a Ecovix planeja elevar para cerca de 400 o número de empregos diretos e indiretos no segundo semestre em seu estaleiro no polo naval de Rio Grande, afetado pela escassez de encomendas e ondas de demissões desde 2014. Segundo a companhia, as contratações serão necessárias para os trabalhos de limpeza e remoção de mais de 100 mil toneladas de peças que dariam origem às plataformas P-71 e P-72.

 

A construção das estruturas no sul do Estado foi paralisada após o rompimento de contratos da empresa – dona do Estaleiro Rio Grande – com a Petrobras. Para iniciar a remoção do material, a Ecovix aguarda o fim dos leilões das estruturas. As vendas, que começaram em abril e devem seguir neste mês, integram o plano de recuperação judicial da empresa.

 

A projeção da companhia é de que o processo de remoção se estenda por 12 meses no estaleiro. Conforme a Ecovix, o número atual de empregos no complexo é de 125, que subiria para cerca de 400, ao longo do segundo semestre, com a remoção das peças. “Os leilões são parte muito importante do plano de recuperação, sendo cruciais para o futuro da área e a perspectiva de novos investimentos”, afirmou, em nota, o diretor de operações da companhia, Ricardo Ávila.

 

A intenção da empresa é limpar o complexo para, em seguida, buscar a formação de uma unidade produtiva isolada (UPI). Na prática, isso significa que a Ecovix terá de encontrar interessados na compra do estaleiro. Caso obtenha a aprovação de órgãos reguladores, a UPI poderá diversificar as operações no local, com atividades como movimentação de cargas e reparos de plataformas, segundo a companhia.

 

O plano de recuperação judicial da Ecovix foi homologado pela Justiça em agosto do ano passado. A dívida somava cerca de R$ 7,8 bilhões, mas, em assembleia, os credores aceitaram reduzir o valor para em torno de R$ 3,7 bilhões, de acordo com informações divulgadas por representantes da empresa à época.

 

O polo naval ainda engloba os estaleiros da QGI, também em Rio Grande, e o EBR, em São José do Norte. No auge do setor na região, em 2013, os complexos chegaram a empregar 24 mil funcionários diretos, conforme o Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias Metalúrgicas de Rio Grande e São José do Norte.

 

Em janeiro, o EBR confirmou a construção de módulos de uma plataforma de exploração de petróleo programada para operar no pré-sal da Bacia de Santos. O acordo foi firmado com a empresa japonesa Modec. O tempo estimado para a entrega do projeto é de 12 meses.

 

O sindicato dos metalúrgicos projeta que a encomenda abra de 350 a 400 empregos diretos. Segundo a entidade, desde o começo deste mês, 130 trabalhadores já foram contratados para o início das operações. Vice-presidente do sindicado, Sadi Machado afirma que a organização ainda aguarda mais detalhes sobre o avanço do plano de recuperação da Ecovix.


Mais lidas


No dia 11 de junho, Data Magna da Marinha, a Comissão de Limites da Plataforma Continental (CLPC) publicou, em seu portal da Organização das Nações Unidas (ONU) na internet, recomendação na qual legitimou ao Brasil incorporar 170.000 km2 de área de Plataforma Continental, além da Zona Econômica Exclusiva.   O processo de estabelecimento do limite exterior […]

Leia Mais