SOPESP NOTÍCIAS

Home   /   Mercado   /   Prós e contras de embarcar para a Europa em navios de cruzeiro no fim da temporada

Prós e contras de embarcar para a Europa em navios de cruzeiro no fim da temporada


Fonte: O Globo (2 de janeiro de 2019 )

Tudo que vai volta. E isso vale, é claro, para os navios de cruzeiro europeus que estão navegando na costa do Brasil e de outros países da América do Sul até o fim de março. Depois, esses gigantes dos mares encerram a temporada aqui e retornam ao velho continente para cumprir a agenda de verão de lá. A despedida deles pode ser boa notícia para quem quer viajar para a Europa com preços mais em conta e aproveitar comodidades e serviços das embarcações. Mas é preciso ter tempo e estar preparado para uma longa viagem.

 

Para não retornar com capacidade ociosa, companhias que atuam por aqui, como MSC, Costa e Pullmantur, oferecem bilhetes com preços abaixo dos cobrados em temporada regular. São passagens só de ida, e em trajetos que vão de 14 a 19 noites. Alguns partem de Santos, do Rio e de Recife, e têm paradas como no continente africano. Outros seguem quase que diretamente rumo à Europa, como o Seaview, da MSC, o maior desta leva de transatlânticos, em sua primeira temporada no Brasil.

 

É preciso fazer as contas, porque, afinal, depois é preciso voltar para o Brasil de avião. A Costa tem combos com a Alitalia para passagens. A CVC só comercializa a travessia pelo Soberano com o tíquete aéreo de volta já incluído. Sob consulta, também é possível comparar os preços de retorno aéreo com a MSC, que tem parcerias com várias companhias.

 

Comprar o bilhete aéreo separado pode ser uma boa, por exemplo, para aproveitar eventuais promoções. Outra dica é usar milhas, como fez a esteticista mineira Ana Varela, de 25 anos:

 

— Só paguei o navio, que saiu mais em conta do que o valor do cruzeiro regular por aqui.

 

Quem opta por este tipo de viagem precisa saber que o trajeto é praticamente todo em alto-mar. As atrações ficam por conta das próprias embarcações, e não são poucas. Restaurantes, piscinas, cassinos, tobogã e até tirolesa, no caso do Seaview. É para não sentir falta de terra firme tão cedo.


Mais lidas


  A reunião contou com a participação de representantes da ACS (Associação Comercial de Santos), CAP (Conselho de Autoridade Portuária), FIESP (Federação das Indústrias do Estado de São Paulo), CONSAD (Conselho de Administração da CODESP), ABTTC (Associação Brasileira dos Terminais Retroportuários e das Transportadoras de Contêineres), SINDSAN (Sindicato das Empresas de Transporte Comercial de Carga do Litoral […]

Leia Mais