SOPESP NOTÍCIAS

Home   /   Operações   /   Porto quer menos burocracia e mais poder de decisão

Porto quer menos burocracia e mais poder de decisão


Fonte: A Tribuna (2 de janeiro de 2019 )

Descentralização de decisões, profissionalização da gestão e novos arrendamentos no Porto de Santos estão entre as expectativas de empresários e consultores do setor para o próximo ano. Até agora, os planos e nomeações do presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) têm agradado a comunidade portuária, que aguarda por uma nova fase no setor.

 

Bolsonaro assumirá a Presidência da República nesta terça-feira (1º) com a missão de destravar investimentos privados nos portos brasileiros. Também são esperadas mudanças no modelo de gestão dos complexos portuários públicos.

 

Para o presidente da Federação Nacional dos Operadores Portuários (Fenop), Sérgio Aquino, a expectativa é positiva. “Temos uma sinalização de que ele vai cumprir propostas de campanha e de seu plano de governo. Isto está se efetivando com as nomeações, tanto da estrutura ministerial como das administrações portuárias”.

 

Para o executivo, as políticas do novo governo para o setor devem se basear no pilar: despolitização, descentralização e desburocratização.

 

“Mas, para isso, é preciso rever regramentos nos portos organizados. Os TUPs (Terminais de Uso Privado) se tornaram atrativos nos últimos anos. Mas os portos organizados ainda têm muitos desafios”, destacou Aquino.

 

Para o presidente do Sindicato dos Operadores Portuários do Estado de São Paulo (Sopesp), João Almeida, descentralização da gestão e desburocratização também são fundamentais para o novo governo.

 

“Esperamos que devolvam as atribuições das companhias docas, que o setor tenha uma regulação moderna, prática e flexível, com fiscalização pelo poder concedente, sem dúvida, mas que seja ágil”.

 

Almeida ainda destaca que o setor portuário precisa ser valorizado, reconhecido e ser uma prioridade no novo governo. “Veja apenas em Santos quantos terminais arrendados possuímos e o volume de investimentos que está sendo realizado e outro tanto à espera, aguardando aprovação de projetos executivos pela Antaq (Agência Nacional de Transportes Aquaviários). São milhões de reais em investimentos parados que a classe empresarial quer colocar em prática mas fica impedida pela burocracia de Brasília”.

 

Pauta de reivindicações

Representantes da Associação Brasileira de Terminais Portuários (ABTP) apresentaram uma pauta de reivindicações à equipe responsável pela transição de governo.

 

Entre elas, estão questões relacionadas ao aumento da segurança jurídica, regulação portuária e desburocratização, além dos investimentos em infraestrutura para solução de gargalos, como a dragagem.


Mais lidas


No dia 11 de junho, Data Magna da Marinha, a Comissão de Limites da Plataforma Continental (CLPC) publicou, em seu portal da Organização das Nações Unidas (ONU) na internet, recomendação na qual legitimou ao Brasil incorporar 170.000 km2 de área de Plataforma Continental, além da Zona Econômica Exclusiva.   O processo de estabelecimento do limite exterior […]

Leia Mais