SOPESP NOTÍCIAS

Home   /   Infraestrutura e Investimentos   /   Futuro ministro define equipe só com técnicos na Infraestrutura 

Futuro ministro define equipe só com técnicos na Infraestrutura 


Fonte: Valor (2 de janeiro de 2019 )

O ministro da Infraestrutura, Tarcísio Freitas, definiu seus principais auxiliares na pasta. São todos nomes técnicos, com experiência no setor de transportes e sem nenhuma influência de partidos políticos nas indicações.

 

A única “exceção”, de certa forma, é o ex-ministro do Tribunal de Contas da União (TCU) Valmir Campello. Ex-senador, ele vai presidir a Valec. O novo governo pretende leiloar a Ferrovia Norte-Sul (FNS) e a Ferrovia de Integração Oeste-Leste (Fiol), as duas principais obras com envolvimento da estatal, o que demandará forte interação com o órgão de controle. O plano é, depois disso, extinguir a empresa.

 

Trata-se, no entanto, de um processo de pode levar mais de um ano. Freitas tem dito a interlocutores que a escolha de Campelo se deve ao bom trânsito dele com o tribunal e à experiência na área de compliance.

 

A ex-diretora da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) Natália Marcassa, atual subchefe de articulação e monitoramento da Casa Civil, assumirá um dos cargos mais amplos do ministério. Ela ficará à frente da Secretaria de Planejamento, Fomento e Parcerias. Entre suas atribuições estará a modelagem para concessões de rodovias e ferrovias.

 

O engenheiro Diogo Piloni vai ocupar a Secretaria de Portos, feudo do PMDB nas gestões Dilma Rousseff e Michel Temer, quando esteve boa parte do tempo preenchida por indicados da família Barbalho. Piloni já foi gerente de estudos na Agência Nacional de Transportes Aquaviários (Antaq) e hoje atua na área técnica do Programa de Parcerias de Investimentos (PPI). Cuidará dos arrendamentos de terminais e dos trabalhos para a futura privatização das Companhias Docas.

 

Ainda no setor portuário, Casemiro Tércio Carvalho deverá presidir a Codesp, estatal que administra o Porto de Santos. Ex-diretor do Departamento Hidroviário do Estado de São Paulo, durante os dois últimos mandatos de Geraldo Alckmin (PSDB), ele tornou-se sócio de uma empresa de estruturação de projetos com foto na área de portos.

 

O economista Ronei Glazmann ficará com a Secretaria de Aviação Civil (SAC) e terá a continuidade das concessões de aeroportos como uma de suas principais missões. Há anos ele atua na SAC, onde atualmente exerce o cargo de diretor de política regulatória, e já integrou o conselho de administração da Inframérica, operadora do aeroporto de Brasília, na condição de representante da Infraero (sócia com 49% de participação).

 

O brigadeiro Hélio Paes Barros, diretor da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), deixará o órgão regulador para chefiar a Infraero. Ele terá a companhia, como diretora da estatal, de Martha Seillier. Mestre em Economia, ela é chefe da assessoria especial da Casa Civil. Teve participação direta na elaboração da proposta de reforma da Previdência do governo Temer. Martha tem experiência no setor. Já ocupou a diretoria de regulação e concorrência da SAC.


Mais lidas


No dia 11 de junho, Data Magna da Marinha, a Comissão de Limites da Plataforma Continental (CLPC) publicou, em seu portal da Organização das Nações Unidas (ONU) na internet, recomendação na qual legitimou ao Brasil incorporar 170.000 km2 de área de Plataforma Continental, além da Zona Econômica Exclusiva.   O processo de estabelecimento do limite exterior […]

Leia Mais